Aconteceu - 20/05/2009  20h08
 
Deputados articulam frente parlamentar pela redução do spread
 
A deputada Aline Corrêa (PP-SP) informou que articula a criação de uma frente parlamentar contra o alto spread bancário. O objetivo é lutar pela redução do spread, não apenas para as pequenas e médias empresas, mas para todos. Aline é autora de requerimento de audiência pública, realizada nesta quarta-feira (20) pela comissão especial criada para analisar os efeitos da crise global nas áreas de serviços e emprego.

O secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Nelson Henrique Barbosa Filho, lembrou que o governo está elaborando uma medida provisória que cria um Fundo Garantidor de Crédito para beneficiar as instituições que emprestarem a pequenas e médias empresas.

O fundo vai permitir uma redução anual de 8% para 4% do spread pago pelas pequenas e médias empresas na concessão de empréstimos bancários e terá R$ 4 bilhões do Tesouro Nacional.

Empregos
Barbosa Filho ressaltou que o Brasil voltou a gerar empregos nos últimos três meses. Somente em abril, segundo ele, foram gerados 106 mil empregos. "Existe um crescimento positivo no setor de serviços", disse o secretário.

Em sua avaliação, programas como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e o Minha Casa, minha Vida atenuam a crise. O primeiro prevê a construção de 1 milhão de moradias para famílias com renda inferior a dez salários mínimos.

O secretário de Política Econômica citou ainda outras ações do governo que atenuam os efeitos negativos da crise financeira sobre o emprego, como a desoneração tributária de alguns produtos e a redução da taxa de juros.

A fim de contribuir para a manutenção do emprego na Construção civil, a secretária de Habitação do Ministério das Cidades, Inês Magalhães, disse que, somente com habitação e saneamento, o governo já contratou mais de R$ 40 bilhões. Além disso, acrescentou, o Programa Minha Casa, Minha Vida vai gerar 700 mil empregos na construção civil.

Mercado interno
Para o presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB), Antonio Fernandes dos Santos Neto, a solução da crise está no mercado interno. Por isso, no seu entendimento, reduzir salários e direitos do trabalhador seria "um tiro no pé".

Santos Neto considera uma medida importante contra a crise que os juros sejam reduzidos ainda mais. Ele alertou que se os juros não forem reduzidos as medidas do governo contra a crise não terão os efeitos desejados.

Notícias relacionadas:
Iniciativa de socorro a pequenas empresas repercute na Câmara
Temer recebe de entidades plano de ação contra a crise
Presidente da CNI prevê crescimento zero neste ano

Reportagem - Oscar Telles
Edição - Wilson Silveira


(Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara')